|

Montagem sobre fotos de divulgação

| Um fabuloso turismo musical

8/01/2017 - Por Debora Ghivelder

Sociedade Chopin organiza viagens para ver os melhores concertos e óperas nas grandes salas da Europa

 

Gosta de música clássica? Gosta de viajar? Unir estes dois prazeres é o que oferece a Sociedade Chopin do Brasil a um público que quer – e pode – desfrutar de experiências como ouvir a orquestra número um, a incomparável Filarmônica de Berlim na Philharmonie. Ver ao vivo o maestro Valery Gergiev à frente da Orquestra do Teatro Mariinsky, em sua lendária sede ou ainda ocupar um lugar na plateia da Musikverein para desfrutar da performance da Filarmônica de Viena.

Com sede em São Paulo, a Sociedade Chopin organiza, para as suas Viagens Musicais, grupos pequenos – pouco mais de uma dezena de pessoas – para estas imersões. Os roteiros incluem ainda palestras com musicólogos, jornalistas especializados e regentes, sobre os programas musicais escolhidos.

Esse ano, são onze os destinos escolhidos, nos quais se incluem alguns dos mais famosos festivais da Europa, como os de Bayreuth, Salzburgo e Aix en Provence. A empresária artística Glória Guerra, que já conhecia a prática deste tipo de viagem na Europa, resolveu organizar as viagens em 2010.

– Comecei naquele momento por dois motivos: primeiro, para acompanhar o Concurso Chopin em Varsóvia, já que agencio no Brasil alguns premiados nesta competição. E, em segundo lugar, porque só em 2011 os teatros municipais do Rio e São Paulo reabriram depois de grandes reformas, o que os levou a ter uma programação limitada – explica.

O que era uma circunstância daquele ano de 2010 acabou se transformando em uma oferta maior e em repeteco, pela grande aceitação. E Gloria embarcou nessa atividade.

– Como sou empresária artística e realizo turnês com orquestras sinfônicas, de câmara e com artistas, costumo comparar estas viagens com a produção de uma pequena orquestra, pois nunca viajamos com mais de 13 pessoas. Ao invés de levar uma orquestra para se apresentar num teatro, levo os apreciadores de música para assistir algum concerto num teatro.

Espetáculos contemplam diversos gêneros da música clássica

É Glória quem assina a curadoria dos passeios. Seus viajantes vão trocar o baticum nacional pela ópera e partir no carnaval para Paris e Versalhes, na “turnê” que vai de 25 de fevereiro a 4 de março. Em lugar dos pandeiros e tamborins, as vozes de Cecilia Bartoli, em La Cenerentola, no Teatro Real de Versailles, e de Anna Netrebko e Yusif Eyvazov, em um passeio por árias do repertório italiano com a Orquestra Nacional da Bélgica, na Philharmonie de Paris. Para arrematar, Rolando Villazón e Magdalena Kozena na ópera O Retorno de Ulisses à sua Pátria e um concerto com a pianista Maria João Pires e a Scottish Chamber Orchestra no Théatre des Champs Elysées.

– Parto do princípio que se estamos realizando uma viagem musical. É importante escolher uma programação que inclua os diversos segmentos da música clássica: a música orquestral , a música de câmara e apresentação de solistas em recital. Partindo deste princípio, pesquiso a programação dos Festivais e escolho o período em que possa incluir concertos com orquestra, recitais , música de câmara e uma ópera. Quanto aos festivais, os mais procurados são os de Salzburgo, Aix-en-Provence e Bayreuth que, embora dedicado a Wagner, é motivo de muita curiosidade por parte das pessoas. Talvez por tudo que ele envolve e não só a música – diz Gloria.

Os dois primeiros festivais estão agendados para abril. No Festival de Salzburgo (7 a 12 de abril), o programa inclui as filarmônicas de Berlim e Viena e a Staatskapelle Desden, além de uma constelação de nomes como Simon Rattle, Christian Thielemann, Anja Arteros, Anna Prohasca e Daniil Trifonov. Em Aix-en-Provence e Carrièrres de Lumières, as atrações são do quilate do pianista András Schiff e do violinista Maxim Vengerov.

O programa inclui visita a Les Baux de Provence para assistir ao espetáculo Carrières de Lumières. Carrière, palavra que em francês significa “pedreira”, dá a pista: é o cenário do espetáculo. Da extração dos blocos de pedra, ficaram grandes cavernas com paredes e teto retos, com pé direito bastante alto, permitindo a projeção das obras dos artistas embaladas por música especialmente selecionada. Os pintores Klimt, Chagall e os impressionistas já foram tema destas projeçōes.

– Quando a viagem não é para festivais, procuro escolher uma programação em que os concertos se realizem em teatros diversos para que, junto com a música, as pessoas conheçam os teatros históricos ou as novas casas de concertos construídas em todo mundo – conta Glória, que conta com o apoio da Sociedade de Cultura Artística na divulgação dos roteiros para seus assinantes.

Veja abaixo a lista de outras viagens para 2017.

  • Moscou e São Petersburgo – Festival of Stars of White Nights– 3 a 14 de junho (Inscrições até 28 de fevereiro).
  • Festival Arena Di Verona e Villas do Paladio – 28 de junho a 5 de  julho. (Inscrições até 5 de fevereiro)
  • Festival DE Bayreuth-  4 a 14 de agosto. (Inscrições fechadas)
  • Festival de Verão de  Salzburgo – 8 A 18 de agosto. (Inscrições até 10 de janeiro)
  • Ggrafenegg Festival (Áustria)- 18 A 27 de agosto. (Inscrições até 20 de fevereiro)
  • Festival de Lucerna -1 a 10 de setembro. (Inscrições até 20 de fevereiro)
  • Final de semana com Maria João Pires em  Belgais e as cidades de Lisboa, Sintra, Évora, Óbidos . Novembro -período a confirmar.
  • Ano Novo em Berlim -28 de dezembro de 2017 a 4 de janeiro de 2018.  (Inscrições até 20 de agosto).

Contatos para maiores informações: g.guerra1986@gmail.com e pelo whattsapp (11) 98202-9219