|

Theatro Municipal do Rio / Foto do perfil oficial no Facebook

| Servidores do Theatro Municipal do Rio decidem pela paralisação

14/11/2016 - Por Equipe Tutti

Nessa segunda (21) a direção da casa oficializa em comunicado o adiamento da ópera 'Jenufa', cujas récitas aconteceriam de 18 a 26/11. Leia aqui como a situação vem evoluindo.

ATUALIZAÇÃO (21/11, 19h)- COMUNICADO NA ÍNTEGRA :

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro comunica que em virtude da continuidade da paralisação de seus servidores, decidida em assembleia de 21 de novembro, as apresentações da ópera Jenůfa previstas originalmente para os dias 18, 20, 24 e 26 de novembro foram adiadas para novo período a ser divulgado oportunamente. Aguardamos os desdobramentos do movimento dos servidores para fornecer maiores informações a respeito de Jenůfa e sobre o restante da programação de dezembro.

Os assinantes da temporada de óperas e frequentadores que compraram ingressos para Jenůfa deverão comparecer à bilheteria do Theatro Municipal levando os ingressos originais, documento original de identidade e CPF. Será solicitado ao portador o preenchimento de formulário com seus dados bancários para depósito do valor a ser restituído num prazo de 5 a 10 dias. Informamos que não será possível a devolução em espécie ou o depósito em conta poupança.

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro lamenta os transtornos decorrentes das mudanças em sua programação.

 

ATUALIZAÇÃO (16/11, 18h):

Nota da Fundação Theatro Municipal nesta quarta (16) confirma paralisação de atividades e suspensão das duas primeiras récitas da ópera Jenufa. Leia abaixo:

 

COMUNICADO

A Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro comunica que, diante da paralisação de seus servidores decidida em assembleia de 14 de novembro, estão canceladas as apresentações da ópera Jenůfa dos dias 18 e 20. Aguardamos os desdobramentos do movimento e, no início da próxima semana, emitiremos um novo comunicado sobre as récitas previstas para os dias 24 e 26.

Os assinantes da temporada de óperas e frequentadores que compraram ingressos antecipadamente para os dias 18 e 20 e desejarem o ressarcimento imediato deverão comparecer à bilheteria do Theatro Municipal trazendo os ingressos originais, documento original de identidade e CPF. Será solicitado ao portador o preenchimento de formulário com seus dados bancários para depósito do valor a ser restituído, num prazo de 5 a 10 dias. Informamos que não será possível a devolução em espécie ou o depósito em conta poupança. Aqueles que optarem pela possível substituição, no caso de confirmarem-se as récitas subsequentes, deverão aguardar o próximo comunicado.

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro lamenta os transtornos decorrentes dos cancelamentos.

……………………………………………………………………………………………………………………………

 

Os funcionários do Theatro Municipal decidiram entrar em paralisaçao a partir desta quarta-feira, dia 16, caso o Governo do Estado não deposite integralmente os salários referentes ao mês de outubro. Na noite dessa segunda, 14/11, em nota oficial  publicada no site e na sua página no Facebook, a Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro informa a decisão dos servidores, tomada em assembleia nesta segunda-feira (14), de interromper as atividades a partir de quarta-feira, em resposta à demora no depósito dos salários de outubro, que não foram depositados até agora.

Segundo comunicado oficial do governo no dia 11, sexta, servidores receberiam um primeira parcela de R$ 800 nesta quarta, sendo a última (de R$ 5 mil) depositada dia 5/12.

Os ensaios de Jenufa, ópera prevista para estrear na sexta-feira, 18 (veja reportagem  aqui), prosseguiam na noite de segunda, 13/11. A Fundação suspendeu temporariamente a venda de ingressos para a ópera e deve publicar novo comunicado nesta quarta-feira sobre a continuidade ou suspensão da programação.

Abaixo, as íntegras das nota – a da direção da casa e a do Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Públicas da Ação Cultural do Estado do Rio de Janeiro.

….

ÓPERA JENUFA

COMUNICADO IMPORTANTE

A Fundação Teatro Municipal comunica que seus servidores, em assembleia realizada no dia 14 de novembro, segunda-feira, decidiram por paralisar suas atividades a partir do dia 16, quarta-feira, caso o Governo do Estado não deposite integralmente os salários referentes ao mês de outubro. Sendo assim, a venda de ingressos para a ópera Jenufa, está temporariamente suspensa. Na próxima quarta-feira, dia 16 de novembro, a Fundação Teatro Municipal divulgará novo comunicado informando ao público sobre a continuidade ou suspensão de sua programação.

….

NOTA OFICIAL DO SINTAC – Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Públicas da Ação Cultural do Estado do Rio de Janeiro – 14/11

Nota Pública sobre a paralisação das atividades na Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Em Assembleia Geral e Extraordinária convocada pelo SINTAC e as Associações dos Corpos Artísticos da FTM/RJ, realizada no último dia 14 de novembro de 2016, os servidores dessa Casa, reunidos, decidiram que, devido ao parcelamento do salário do mês de outubro, e a ausência de previsão de pagamento integral do referido pagamento, paralisar as atividades artísticas, a partir de 16 de novembro, caso não seja efetuado o pagamento integral dos salários.

As atividades técnico-administrativas, com escalonamento visando ao mínimo deslocamento dos trabalhadores desta fundação, até a regularização do referido vencimento, serão mantidas.

Esta decisão nos é extremamente difícil, pois desde o início desta crise temos nos esforçado para manter a programação estabelecida pela direção da FTM.

Entretanto, não se pode ignorar a situação anômala atual, em que grande contingente de servidores encontra-se impossibilitado de comparecer às atividades normais da Casa, devido à desorganização financeira causada pelos sucessivos atrasos nos pagamentos dos vencimentos pelo Governo do Estado, culminando com o parcelamento do último salário, referência Outubro de 2016.

Desejamos esclarecer que esta suspensão das atividades não é um movimento grevista reivindicatório, mas apenas a constatação de que não há, atualmente, condições mínimas de manutenção de toda a carga horária programada, dada a inadimplência do estado para com os servidores e funcionários.

Rio de Janeiro 14 de novembro de 2016.

Pedro Ismael de Oliveira Neto – Presidente da ACCOTEMURJ / Assoc. do Coro do TM
Edifranc dos Santos Alves – Presidente da ACOBATEMURJ / Assoc. do Ballet do TM
Jesuina Noronha Passaroto – Presidente da AMOSTEMURJ / Assoc. da Orquestra do TM

Pedro Ismael de Oliveira Neto – Presidente do SINTAC / RJ