|

Rosana Lamosa: recital em tono de Liszt/ Foto: Divulgação

| Raro repertório de Liszt na voz de Rosana Lamosa e com o piano de Flávio Augusto

11/10/2016 - Por Debora Ghivelder

Canções do compositor húngaro são destaque em recital na Sala Cecília Meireles. Soprano interpreta peças pouco conhecidas de Lizst,inclusive o pouco ouvido Soneto de Petrarca, para canto e piano

 

A renomada soprano Rosana Lamosa e o pianista Flávio Augusto estiveram juntos em 2011, no palco do CCBB, para exibir as canções de Liszt. A dupla abriu a série Hungaria! As múltiplas faces de Franz Liszt, que então celebrava os 200 anos de nascimento do compositor. Desde então, era desejo de Rosana voltar a esse repertório singular: as canções de Liszt para soprano e piano são raramente tocadas no Brasil. Agora, quando faz 130 anos da morte de Liszt, Rosana e Flávio Augusto retomam este repertório, em recital que acontece nesta quinta, dia 13, na Sala Cecília Meireles.

– Pouca gente conhece essa face do Liszt, a do criador de canções belíssimas. Ao contrário de muitos compositores, ele escrevia muito bem para voz, com obras que são tão virtuosas em termos de vocalidade quanto as peças que fez para o piano – conta Rosana. – Liszt era um poliglota, versado no alemão, no francês e no italiano e apreciava autores como Goethe e Victor Hugo. Além disso, gostava de canto.

Ao se mudar para Paris, em 1827, Liszt travou contato com as novas correntes da literatura francesa – o que não só contribuiu para sua formação intelectual, mas sedimentou seu estilo marcadamente literário, levando-o a buscar, como compositor, inspiração na literatura. Em suas peças para canto, ele serviu-se de textos de autores como Petrarca, Goethe, Heine e Victor Hugo.

O programa combina canções como Vergftet sind meine Lieder, Es muss ein Wunderbares,Über allen Gipfeln ist Ruh, Die Lorelei com peças para piano solo. O recital se encerra com a interpretação do Primeiro Soneto de Petrarca: Pace non trovo.

– Incluímos o Soneto de Petrarca, para canto e piano, que é mesmo uma peça excepcional – inclusive, em sua passagem recente por São Paulo, Jonas Kaufmann a incluiu em seu programa junto com outras peças de Liszt – conta Rosana que, radicada em São Paulo, regressa ainda ao Rio em novembro para se apresentar no Festival Villa-Lobos.