|

Criança Cidadã: em múltiplos formatos /Foto: Leandro Lima/Divulgação

| Orquestra Criança Cidadã vai a Nova York em dezembro

28/11/2016 - Por Debora Ghivelder

Projeto social pernambucano de inclusão pela música foi convidado para participar das comemorações pelos 70 anos da Unicef

Fundada há 10 anos, a A Orquestra Criança Cidadã, vitorioso projeto social de inclusão social pela música, em Pernambuco, que atende a 330 jovens, com idade entre 4 e 21 anos, está arrumando as malas. O conjunto vai embarcar para Nova York, para participar no próximo dia 12 de dezembro, das celebrações dos 70 anos do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e vai abrir a Children’s Takeover, encontro que contará com depoimentos e vídeos de crianças e adolescentes de todo o mundo,  na sede das Nações Unidas, em Manhattan.

No entanto, ainda é preciso arrecadar 30 mil dólares ( pouco mais de R$ 90 mil) para despesas de alimentação e deslocamento. Para levantar o montante, uma campanha de crowdfunding chegou a ser deflagrada, mas não foi bem sucedida. A instituição, então, conseguiu aportes da Caixa Econômica Federal, dos Serviços Humanitários da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e da Compesa (Companhia Pernambucana de Saneamento).

O Consulado dos Estados Unidos da América no Recife concedeu especial isenção de taxas de visto à comitiva da Orquestra; o hotel Roger Smith, em Manhattan, concedeu 50% de desconto nas diárias; e a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco participou com cerca de metade das passagens aéreas da equipe. Mas ainda há necessidade de verbas para alimentação e deslocamentos na cidade.

Doações para este fim podem ser feitas na conta corrente 300.000-1, ag. 3249-2, do Banco do Brasil, em nome da Associação Beneficente Criança Cidadã.

– Em 2015 tive a honra de ser convidado pela Câmara de Comércio Brasil – Estados Unidos, por meio de seu diretor executivo, James Rosenstein, para proferir palestra, acerca da Orquestra– explica João José Rocha Targino, juiz de direito no Tribunal de Justiça de Pernambuco e fundador do projeto. – Desde então, o encantamento dele e de sua esposa, Carolina, pernambucana radicada nos Estados Unidos há mais de 40 anos, só cresceu. Ao saberem, este ano, da programação de aniversário dos 70 anos da Unicef, eles  falaram de nosso projeto para a organização, indicando-o para um convite oficial. O convite surgiu, mas sob condição de conseguirmos os recursos necessários para empreender a viagem. Com muito sacrifício, buscamos patrocinadores e contamos ainda com o apoio dos fãs da Orquestra para terminar de arrecadar fundos

Política de prevenção

Gerido pela Associação Beneficente Criança Cidadã, com incentivo do Ministério da Cultura via Lei Rouanet, o projeto foi idealizado em 2006 por João Targino, em parceria com o maestro Cussy de Almeida. Diariamente, os alunos tem atividades por um período de cinco horas com aulas de instrumentos de cordas, percussão, teoria musical, flauta doce e canto coral, além de instrumentos de sopro – flauta transversa, oboé, clarinete, trompa e fagote. O programa oferece ainda apoio pedagógico, atendimento psicológico, médico e odontológico; aulas de inclusão digital; fornecimento de três refeições por dia e fardamento.

A Orquestra também garante a profissionalização dos alunos através da Escola de Formação de Luthier e Archetier, onde eles aprendem a arte da construção e reparo dos instrumentos de cordas.

– Como Juiz de Direito, trabalho no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, conhecido como Fórum Joana Bezerra, ao lado de uma das comunidades de pior IDH na capital pernambucana, o Coque. Trabalhei com o desembargador Nildo Nery quando ele era presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (2000-2001) e o objetivo de sua gestão era fazer uma política de prevenção, que acolhesse crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade– conta Targino. –  Nery me convidou para fazer parte do Programa Criança Cidadã e nesse projeto criamos um coral com crianças moradoras de rua. Foi aí que tive um insight e pensei: por que não fazer uma Orquestra? Eu ouvia música clássica, mas nunca havia pensado nisso antes. Acredito que Deus me proporcionou essa ideia e me “usou” como instrumento para criação desse projeto. Consultei o desembargador Nildo, já presidente da Associação Beneficente Criança Cidadã, ONG fundada em 2003 como sucessora do Programa Criança Cidadã, e ele concedeu espaço para eu coordenar o projeto. Chamamos o maestro Cussy de Almeida para cuidar da coordenação musical e, assim, nasceu a Orquestra, que foi inaugurada em 25 de julho de 2006

Ao longo destes 10 anos, a orquestra já se apresentou diversas vezes, tendo no currículo os concertos para o Papa Francisco, no Vaticano, e para o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, em Lisboa, ambos em 2014. Gravou também, no ano passado, em Roma, seu primeiro CD/DVD, em parceria com a violinista japonesa Yoko Kubo. O álbum foi lançado em setembro, por conta das celebrações da primeira década de existência.

E já enviou alunos para estudar música em instituições da Polônia, Áustria, República Tcheca, Alemanha e México. O projeto conta com três orquestras (jovem, infanto-juvenil e preparatória) e nove grupos representativos, divididos em duetos, trios, quartetos e quintetos de cordas; orquestra de sopros; grupo de percussão; flautas doces; e o núcleo de música popular.

Os próximos planos não são pouco ambiciosos, como conta o fundador:

– Nosso maior sonho é construir a Sala de Concertos Criança Cidadã, com capacidade para cerca de 800 lugares e que abrigará também a escola de música do projeto. Possuímos um terreno, doado pela União, mas buscamos os recursos para a construção, que giram em torno de 60 milhões de reais. E, claro, esperamos fazer mais viagens como essa, que comprovam o sucesso da inclusão social através da música e justificam o investimento e a confiança na juventude.