|

Lalo Schiffrin / Divulgação

| Lalo Schifrin ganha homenagens na França

07/11/2016 - Por Luciana Medeiros

O compositor argentino que escreveu algumas das mais conhecidas trilhas do cinema e da TV será sagrado Cavaleiro e terá retrospectiva na Cinemateca de Paris. Ele foi aluno de Messiaen e tem peças tocadas por grandes orquestras.

 

Certas imagens ou determinados sons fazem parte tão intensa da cultura contemporânea que basta uma leve sugestão para todo mundo identificar imediatamente a referência. Quer experimentar? Pense nas dez notas que introduzem a espetacular música-tema do seriado – e da franquia cinematográfica – Missão Impossível (elas são, aliás, Sol-Sol-Sib-Dó-Sol-Sol-Fá-Fá#-Sol).

O autor dessa trilha é o argentino, radicado em Los Angeles, Lalo Schifrin. Em agosto, Gustavo Dudamel regeu a Los Angeles Philharmonic na première de uma obra sua, Concierto de La Amistad, tendo Angel Romero como solista ao violão – para ele, Schifrin já havia escrito uma obra, gravada pela London Philharmonic Orchestra.

Aos 84 anos, o pianista e compositor ganha festa na França, onde viveu entre 1952 e 1956, tendo aulas no Conservatório com Olivier Messiaen, e tocava à noite nos clubes de jazz. Schifrin terá box comemorativo lançado pela Universal Music, retrospectiva de filmes na Cinemateca Francesa e vai se tornar Comendador das Artes e das Letras, honraria concedida pela ministra da Cultura Audrey Azoulay. Ele declarou que a França é parte importantíssima de sua cultura, desde a infância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da França, o compositor abraçou os Estados Unidos: quando estava de volta a Buenos Aires e havia montado sua banda, Dizzy Gillespie, em turnê, o convidou para integrar seu grupo. Os contratos para trilhas de cinema vieram na esteira e Lalo se integrou a uma geração que tem também Jerry Goldsmith e John Williams. Entre os outros filmes que ganharam sua música estão Bullit (1968), Operação Dragão (1973) e Dirty Harry (1971). E foi o arranjador dos medleys para o supermega hit Três Tenores In Concert (1994), com Zubin Mehta na regência.

Ele adora ópera. “A ópera é o filme antes do filme: há ação, roteiro, música”, diz o argentino. “Não há diferença entre o jazz, Carmen de Bizet, música brasileira ou canto religioso”, diz.

Site oficial de Lalo Schifrin aqui.

Para matar as saudades da trilha original de Missão Impossível, lançada há exatamente 50 anos pela Paramount em parceria com a Desilu: