|

Theatro Municipal do Rio / Interna - Divulgação

| Confirmada paralisação dos servidores do Municipal RJ

21/11/2016 - Por Equipe Tutti

Na segunda (21) a direção da casa oficializou o adiamento da ópera 'Jenufa', cujas récitas aconteceriam de 18 a 26/11. Programação do Theatro até o fim do ano permanece uma dúvida.

 

No fim do dia desta segunda (21), a direção do Theatro Municipal confirmou em nota que a paralisação de seus corpos artísticos, iniciada na quarta feira (16),  terá continuidade. Com isso, estão suspensas todas as récitas da ópera Jenůfa, que teria estreado na sexta, dia 18. No comunicado, a direção ressalta ainda que o restante da programação ainda está em suspenso, na dependência de desdobramentos da situação salarial.

A primeira comunicação ao público do processo de discussão foi feita na noite da segunda, 14/11, em nota da Fundação Theatro Municipal do Rio, publicada no site e na página oficial no Facebook,  informando que a assembleia dos servidores havia decidido interromper as atividades a partir de quarta-feira (16), em resposta à decisão do Governo do Estado de parcelar os salários de outubro. Conforme comunicado oficial do governo no último dia 11, sexta, servidores receberam um primeira parcela de R$ 800 nesta quarta, sendo a última (de R$ 5 mil)  a ser depositada dia 5/12.

Os ensaios de Jenůfa, ópera prevista para estrear na sexta-feira, 18 (veja reportagem  aqui), ainda prosseguiam na noite de segunda, 13/11, mas a Fundação já havia suspendido temporariamente a venda de ingressos para a ópera. Na quarta, confirmou-se a suspensão das duas primeiras récitas de Jenůfa. Com a assembleia de hoje, esta produção  e o restante da programação do ano (a ópera infantil O Boi e o Burro no Caminho de Belém, prevista para estrear dia 2, e o balé O Quebra-Nozes, dia 14/12) seguem sem confirmação.

Jenůfa

O diretor André Heller-Lopes, também coprodutor do espetáculo cancelado,  afirma que a ópera vai acontecer. O que está em negociação são as possíveis novas datas.

– A ópera está pronta e vai estrear. Só não sabemos quando. Pode ser em janeiro, pode ser ainda em dezembro. Os funcionários estão cobertos de razão. E a direção, por seu lado, também não pode ficar acertando datas no escuro.

André não esconde um sentimento de frustração.

– Há um sentimento de frustração artística. Afinal, houve um investimento grande em um formato diferente. Mas a situação é toda sui generis. Eu, particularmente, queria que a ópera tivesse estreado e que fizessem dela instrumento de suas reivindicações. Acho que é a melhor maneira de artistas se manifestarem. Mas não foi isso que ficou decidido. E tudo bem.

O diretor passa a trabalhar junto ao Municipal para acertar nova data viável.

– Tanto o Ripper [João Guilherme, Presidente da Fundação Teatro Municipal] como o André [Cardoso, Diretor Artístico] têm sido parceiros. Todo mundo está emprenhado em encontrar novas datas. Já estamos examinando as agendas de todos os solistas. A gente lamenta muito pela frustração, especialmente a do público. Muita gente comprou ingresso. Mas vamos resolver e a ópera vai estrear tão logo a situação se resolva.

 

A nota divulgada hoje, na íntegra, segue abaixo.

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro comunica que em virtude da continuidade da paralisação de seus servidores, decidida em assembleia de 21 de novembro, as apresentações da ópera  Jenůfa previstas originalmente para os dias 18, 20, 24 e 26 de novembro foram adiadas para novo período a ser divulgado oportunamente. Aguardamos os desdobramentos do movimento dos servidores para fornecer maiores informações a respeito de Jenůfa e sobre o restante da programação de dezembro.

Os assinantes da temporada de óperas e frequentadores que compraram ingressos para Jenůfa deverão comparecer à bilheteria do Theatro Municipal levando os ingressos originais, documento original de identidade e CPF. Será solicitado ao portador o preenchimento de formulário com seus dados bancários para depósito do valor a ser restituído num prazo de 5 a 10 dias. Informamos que não será possível a devolução em espécie ou o depósito em conta poupança.

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro lamenta os transtornos decorrentes das mudanças em sua programação.

Informações completas do início da paralisação aqui.