|

Gabriella Pace (foto de Henrique Pontual)

| Concerto beneficente reune, domingo (9), Todas as Vozes femininas pela causa das mulheres

06/04/2017 - Por Gabriella Pace *

"Através da doação da nossa arte, podermos expressar a dor de tantas mulheres machucadas , acuadas, sem voz, sem expressão". Evento acontece no Municipal do Rio, às 11h30

O concerto Todas as Vozes é um grande sonho que se realiza.

Começou a ser pensado há um bom tempo. Mas tomou mais força no ano passado, quando formamos um grupo de mulheres cantoras líricas, abrindo um grupo de discussão sobre o machismo. Como mulheres feministas, queríamos nos movimentar, fazer algo, só não sabíamos exatamente o que. Foi então que nos surgiu a ideia do concerto. E de que através da doação da nossa arte podermos expressar a dor de tantas mulheres machucadas , acuadas, sem voz, sem expressão.

Com a realização da ópera Jenufa, da qual também faço parte, o diretor do espetáculo (agora também diretor artístico do Theatro Municipal) aprovou a iniciativa e assim cresceu o link entre as duas coisas. Nasceu “Todas as Vozes”, que sobe ao palco do Municipal carioca nesse domingo, dia 9, às 11h30.

O programa foi pensado em torno de mulheres fortes no universo da ópera, da dança e da composição. São elas – Carmen, Dalila, Ilara, Adriana, personagens operísticas de mulheres donas de seus destinos e suas vontades.

Na dança, teremos a representação do Cisne da grande bailarina Ana Pavlova, que foi uma revolucionária. Nascida de mãe solteira, no seio de uma família de camponeses pobres, aos oito anos se apaixonou pelo balé, mas foi rejeitada devido à sua tenra idade e à baixa estatura. Em 1891, aos dez anos, conseguiu ingressar na academia. Seu extraordinário talento e suas interpretações extremamente pessoais deram um novo sentido ao balé clássico.

Finalmente, teremos Chiquinha Gonzaga, a compositora e maestrina carioca que se destaca na história da cultura brasileira e da luta pelas liberdades no país pelo seu pioneirismo. A coragem com que enfrentou a opressora sociedade patriarcal e embarcou uma profissão por aqui ainda interditada para a mulher causou escândalo em seu tempo. Atuando no rico ambiente musical do Rio de Janeiro do Segundo Reinado, no qual imperavam polcas, tangos e valsas, Chiquinha Gonzaga não hesitou em incorporar ao seu piano toda a diversidade que encontrou, sem preconceitos. Assim, terminou por produzir uma obra fundamental para a formação da música brasileira.

Eu não imaginava que tantas pessoas se uniriam a esse trabalho em total comprometimento com a causa e só pela causa. Cantores, bailarinas, coreógrafos, produtoras, jornalistas, todos super disponíveis e generosos, trabalhando, doando-se em seus tempos livres para a realização deste concerto, que terá sua verba toda revertida para a Casa Mulheres da Maré.

Tenho muita esperança de que este seja o pontapé inicial de um projeto muito maior, onde possamos cada vez mais falar sobre isso. O tempo é de mudança. E a mudança através da arte se faz muito necessária.

*Gabriella Pace é cantora lírica paulistana, tem se apresentado nos principais teatros do Brasil e na Europa. Radicada em Copenhague. Feminista.

Todas as Vozes

Com:
Ana Botafogo – Apresentadora | Gabriella Pace e Juliana Starling – sopranos | Carolina Faria e Lidia Schäffer – mezzo sopranos | Eric Herrero – tenor | Vinicius Atique – barítono | Liana Vasconcelos – bailarina | Karen Mesquita – primeira bailarina do Theatro Municipal | Mateus Ceccato – violoncelo | Rafael Andrade – piano | Trio Capitu – Débora Nascimento (fagote), Janaína Perotto (oboé) e Sofia Ceccato (flauta) | Trio Aquarius – Flavio Augusto (piano), Ricardo Amado (violino) e Ricardo Santoro (violoncelo) |  João Wlamir – coreógrafo

– PROGRAMA

  1. Chiquinha Gonzaga – Atraente/Lua Branca/Gaucho (Trio Capitu)
  2. G. Bizet – Habanera da ópera Carmen (Lidia Schäffer e Rafael Andrade)
  3. C. Saint-Saëns – A morte do Cisne (Liana Vasconcelos, Mateus Ceccato)
  4. Puccini – O Mimì tu più non torni da ópera La Bohème (Eric Herrero, Vinicius Atique e Rafael Andrade)
  5. C. Saint-Saëns – Mon cœur s’ouvre à ta voix da ópera Sansão e Dalila (Carolina Faria e Trio Aquarius)
  6. Carlos Gomes – O ciel di Parahyba da ópera Lo Schiavo (Juliana Starling e Rafael Andrade)
  7. F. Cilèa – Ecco, respiro appena da ópera Adriana Lecouvreur (Gabriella Pace, Karen Mesquita, Rafael Andrade – coreografia de João Wlamir)
  8. G. Bizet – Coro das cigarreiras da ópera Carmen (todos)

TODAS AS VOZES
Concerto Beneficente
Domingo, 9 de abril, 11h30
Theatro Municipal – Praça Floriano, s/no.  – (21) 2332-9191

Preços:
Frisa/Camarote para seis pessoas: R$ 40 (cada ingresso)
Platéia/B. Nobre: R$ 40
​B. Superior/Galeria: R$ 20

VENDAS: Ingresso Rápido e Bilheteria do Theatro Municipal

Informações para a imprensa: (21) 2332-9238