|

Foto: Pedro Ladeira

| Ana Cecília Tavares e Marcelo Fagerlande mostram obras transcritas para cravo

11/05/2016 - Por Debora Ghivelder

Recital que acontece nesta quinta (11), na Sala Cecília Meireles, marca no Rio o lançamento do novo CD da dupla, 'Originais &Transcrições'.

 

Transcrições de obras barrocas para dois cravos – essa é a proposta e o sustento do novo disco dos  cravistas Ana Cecilia Tavares e Marcelo Fagerlande. Depois de se apresentarem em Brasília, os músicos fazem nesta quinta, dia 11, na Sala Cecília Meireles o recital de lançamento do novo CD,  Originais &Transcrições.

O programa reúne uma transcrição do Concerto de Brandenburgo nº 6, o Concerto em dó maior para dois cravos em sua versão original, ambos de Bach, A Apoteose de Corelli, de Couperin e uma transcrição da Chaconne da ópera Don Quichotte, de Boismortier.

– Tínhamos este projeto desde 2008. Mas, no meio tempo, gravamos a Arte da Fuga, de J.S.Bach. Então só agora retomamos essa ideia, de tocar obras que não foram transcritas para dois cravos. Há um certo preconceito que cerca transcrições de obras barrocas. Mas, na verdade, o próprio Bach já as fazia – conta Marcelo Fagerlande.

O músico explica que, na época em que foram criadas, as transcrições das obras orquestrais para instrumentos de teclado desempenhavam uma importante função: a de disponibilizar um repertório que, de outra maneira, não poderia ser ouvido em casa, local onde recitais e saraus se davam. Já Ana Cecília e Marcelo optaram por interpretar em dois cravos as obras escolhidas, não por uma necessidade de viabilizar o repertório, mas para revelar ao público as muitas qualidades do cravo.

– O cravo ainda é hoje um instrumento pouco conhecido – acredita Marcelo.

O novo CD foi gravado em São Paulo, ao longo de uma semana, reunindo uma equipe vinda de diversos pontos do país.

-Foi uma logística complicada. Decidimos gravar em estúdio em São Paulo. Precisávamos de dois bons instrumentos. E a edição é feita artesanalmente. Eu sempre escolho o que vai para o disco, acho que isso faz parte da autoria. É como se um ator  tivesse a chance de escolher os próprios takes que irão ficar no filme. Isso é muito bom, mas dá um trabalho danado – diz Marcelo.

Depois da apresentação do Rio, a dupla planeja seguir com recitais de lançamento do álbum– produzido com recursos do FAC, o Fundo de Apoio à Cultura, de Brasília – por outras cidades do país.

– Já estamos vendo apresentações em São Paulo e também em cidades do interior do Rio.

Serviço

Dia: Nesta quinta,  11 de maio, , às 20h,

Local : Sala Cecilia Meireles,

Endereço: Largo da Lapa, 47, Centro,  tel: 2332-9223

Ingressos: R$ 40 disponíveis na bilheteria ou no site www.ingressorapido.com.br